News - Praça do Hipódromo volta a receber as aulas do Projeto Frevo na Praça. / Camisas com a marca do grupo estão à venda por R$30 reais. / Site dos Guerreiros ultrapassa 285 mil visitas. / VOCÊ GOSTOU DO SITE? JÁ PARTICIPOU DE ALGUMA ATIVIDADE NOSSA? TEM ALGUMA SUGESTÃO? COMENTE, MANDE SUA MENSAGEM POR E-MAIL OU PELAS REDES SOCIAIS. DÊ SUA OPINIÃO E NOS AJUDE A APRIMORAR NOSSAS AÇÕES COM O FREVO. CERTAMENTE ISSO NOS AJUDARÁ BASTANTE A ENRIQUECER TODO O TRABALHO. OBRIGADO!

O HOMEM DO ACERVO

Publicado no DIARIO de PERNAMBUCO em 20 de maio de 2012.

Pesquisador Leonardo Dantas guarda em casa mais de 500 vinis, a maioria de música pernambucana, além de livros de frevo e forró
Imagem: NANDO CHIAPPETTA/DP/D.
Abrindo sobre a mesa de jacarandá um dos livros que editou sobre a história do Recife, o jornalista e pesquisador Leonardo Dantas aponta para uma foto do bairro da Torre, na Zona Oeste da cidade. Mostra a Igreja, a casa espaçosa, uma chaminé. Tudo cercado por mato. A foto é de 1980 e nesses mais de 30 anos tudo mudou ao redor. A vegetação deu lugar às ruas, à praça e às casas - que já estão virando passado, substituídas por edifícios altos. Leonardo Dantas resiste. Mora na mesma casa em que nasceu, a poucos metros da igreja da Torre. Os cômodos são abarrotados de quadros, esculturas, móveis antigos e livros. Ele já editou 377 livros, sendo 47 escritos ou organizados por ele. Sete são sobre a música pernambucana.

Mais conhecido como pesquisador da história da cidade, Leonardo Dantas tem um currículo extenso em 50 anos de trabalho. Entrou para o jornal Diário da Noite aos 16 anos, como revisor. Passou mais de 20 anos nas redações. Foi o criador do Frevança e do extinto Baile da Saudade, que ocorreu por 18 carnavais no Clube Português. Dirigiu a editora Massangana e produziu discos para a Rozenblit. Fez amizades para a vida toda no meio artístico. Claudionor Germano, de 80 anos, é considerado um irmão. “Quando tive problemas de saúde, quem estava do meu lado no hospital, às 5h da manhã, era ele”, conta.

O frevo é sua grande paixão musical. Na juventude, era um bom passista. Chegou a escrever um livro detalhando o método da dança do frevo, para ser utilizado em escolas da rede pública. “Fiz um projeto para retirar o balé das escolas e colocar frevo, maracatu, caboclinho. Foi uma polêmica”, lembra. Nos móveis em que guarda seus mais de 500 LPs há preciosidades quase intactas como álbuns de Capiba autografados e um bom material de música brasileira lançado por empresas de vida curta, como o selo Marcus Pereira Discos.

Tem LPs dos irmãos Raul e João Valença, de Levino Ferreira - que foi seu professor de teoria musical e a quem considera o maior compositor de frevo de rua -, coletâneas de cultura popular e o primeiro disco com gravações ao vivo de frevo, feito em 1980 no Teatro de Santa Isabel. Entre os inúmeros livros, uma cópia de O sanfoneiro do Riacho da Brígida, de Sinval Sá, com dedicatória “ao bom amigo-conterrâneo Leonardo Silva”, assinada por Luiz Gonzaga. (Ele deixou de assinar “Leonardo Silva” quando um criminoso como esse nome apareceu nos jornais).

Apesar do amor ao frevo e à música, Leonardo Dantas não toca nenhum instrumento. “Eu estudava com Levino Ferreira e aí ele disse que eu tinha que comprar um piano. Eu disse que não podia, ele retrucou que comprasse pelo menos um clarinete. Fui à loja e falei ao meu pai o preço de três contos e quinhentos. Ele respondeu: ‘isso é quanto teu pai ganha em um mês!’”. No final da tarde da quarta passada, Leonardo recebeu o Diario em casa para uma conversa. Foram quase três horas que correram fácil, em meio a lembranças e projeções. O carnaval foi tema constante. Confira. (Carolina Santos)

Centenário de Luiz Gonzaga
Concordo com todas as homenagens ao seu centenário. Tudo que fizerem por ele é merecido. Acho que falta mais pesquisa sobre a obra e a vida de Luiz Gonzaga. O livro da francesa Dominique Dreyfuss (Vida de Viajante, editora 34) foi construído a partir de vários depoimentos dele, mas não aborda a discografia. Os pesquisadores estrangeiros vêm atrás de documentos, mas eu acho que ainda está faltando uma biografia completa para Gonzaga. Você pega o livro de José Mário Austregésilo (Luiz Gonzaga, o homem, sua terra e sua luta, editora da Fundação de Cultura Cidade do Recife) e tem letras erradas. Luiz Gonzaga merece tudo, mas foi perseguido por ser considerado de direita. E por ser de direita, foi soterrado. Quem levantou Luiz Gonzaga foi Carlos Imperial ao inventar o boato, na década de 1970, de que os Beatles iam gravar Asa branca. 

Luiz Gonzaga, o homem
Conheci Luiz Gonzaga nas redações, nas rádios. Ele era um cara que não imaginava o valor que tinha. Era um imediatista. Não estava interessado no futuro, mas em ganhar o dinheirinho dele naquele momento. Agora esse dinheirinho era em cima de um caminhão, na esquina, em qualquer lugar. Era um sujeito autêntico e muito bom. Sempre incentivou quem vinha atrás. Marinês, Zé Calixto, Dominguinhos, Quinteto Violado, todo mundo é cria dele. A casa dele no Rio de Janeiro era uma hospedaria. Acompanhei o início do romance dele com Edelzuíta. Ela trabalhava numa firma de empréstimo perto do Diario. Gonzaga era apaixonado por ela. Foi um amor de velhice. Me lembro da briga de Helena com Luiz Bandeira. Bandeira fez Fulô da marvilha quando estava começando o caso de Gonzaga com Edelzuíta e Helena dizia que Bandeira tinha feito a música de encomenda de Gonzaga para Edelzuíta. 

Parceria com Capiba
Gonzaga dava o mote e o compositor fazia a música e depois ele assinava em parceria. Gonzaga diz que Zédantas já chegou no hotel dele cantando umas músicas. Então já tinha melodia e letra! Ele colocou o nome na parceria com a música pronta. Já Capiba fez Engenho Massangana e Gonzaga queria assinar também, para gravar. Capiba, vaidoso do jeito que era, não aceitou. 

Política cultural
Quem vem depois faz o possível para acabar o que você fez e fazer outra coisa. Eu digo que a primeira coisa que um chefe faz é mudar a arrumação dos móveis e colocar uma placa dizendo que foi ele quem arrumou. Não há continuidade nas políticas de cultura. Do que eu fiz, a oficina de luteria, que poderia estar com pessoas formadas para consertar instrumentos, não existe. O projeto Espiral foi extinto também - a Orquestra Cidadã é uma reedição dele. Não existe programa editorial na prefeitura. O que a prefeitura publicou? O que o estado publicou? Nada, nada.

Carnaval de palco
É uma desgraça, acabou o carnaval. Eu resolveria aquilo ali de uma forma simples. Transformaria o Marco Zero em grande baile. Com dois palcos, mais baixos - para que aquele palco tão alto? - um na ponta e outro na outra e as atrações se cruzavando. A música não parava. Porque se passa 1h40 para assistir uma Maria Gadú que não sabe nada. Ou uma “Zefa do Pifo”, Zeca Baleiro… o que esse povo canta de carnaval? Você podia pegar esse povo todo e diluir durante o ano. Tinha festa o ano todo. E no carnaval colocava os ritmos carnavalescos. Esse ano colocaram uma orquestra local para abrir cada dia e elas é que esquentavam, depois era aquela monotonia…

Frevo moderno 
Se eles fazem um frevo para dançar, tudo bem. Mas se eles querem fazer demonstração de jazz, não dá. Tem até músicas de Chico Science que o povo vem abaixo. Mas quando você faz variações como aquele show de Lenine (na abertura do carnaval de 2011, em homenagem às mulheres), não leva a nada. Fica um olhando pra lá, outro pro palco. Um grupinho que curte canta aquelas músicas, o resto fica só olhando. Mas você coloca um Duda, um Ademir Araujó, ou o próprio maestro Forró, e o Marco Zero vem abaixo. O carnaval sempre foi multicultural. Já no século 19 tinha maracatu, frevo, todas as diferentes manifestações, inclusive de etnia. Não é novidade nenhuma, apenas deram esse nome bonitinho, feito em agência. Todas essas atrações já vêm num pacotinho pronto para cá. Essa história de homenagear as mulheres já veio pronta. Eu não vejo a cultura só para homem, para mulher, para gay. Vejo cultura como uma coisa só. 

Diversidade
Você não vê uma orquestra de frevo tocando no São João. Isso nunca aconteceu porque carnaval é carnaval, São João é São João. Agora, “dona Zefa do pife” tem que tocar no carnaval e no São João porque é multicultural! Alguém está ganhando comissão. As orquestras e agremiações que desfilaram no carnaval ainda não foram pagas. Algumas estão esperando até o dinheiro do São João passado. Abanadores do Arruda e Coqueirinhos de Beberibe ainda não receberam.

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário