News - Praça do Hipódromo volta a receber as aulas do Projeto Frevo na Praça. / Camisas com a marca do grupo estão à venda por R$30 reais. / Site dos Guerreiros ultrapassa 285 mil visitas. / VOCÊ GOSTOU DO SITE? JÁ PARTICIPOU DE ALGUMA ATIVIDADE NOSSA? TEM ALGUMA SUGESTÃO? COMENTE, MANDE SUA MENSAGEM POR E-MAIL OU PELAS REDES SOCIAIS. DÊ SUA OPINIÃO E NOS AJUDE A APRIMORAR NOSSAS AÇÕES COM O FREVO. CERTAMENTE ISSO NOS AJUDARÁ BASTANTE A ENRIQUECER TODO O TRABALHO. OBRIGADO!

Festa junina de hoje

Nossos festejos não são mais como antes, estão se transformando nos carnavais modernos, estáticos, de palco. Nas cidades afora não se vê mais aquela festa tradicional e não menos deliciosa de se brincar, de se deleitar com tantas simbologias clássicas do nosso povo nordestino. Todos são convocados para a Praça principal, com indivíduos atraídos a centros públicos de shows para ver bandas que se assemelham com verdadeiros espetáculos sensuais e apelativos. Claro, existem algumas exceções e focos resistentes, e é preciso louvar essas iniciativas.   

Nos subúrbios, não se pode mais apreciar os arraiais que eram erguidos para a comunidade festejar, muitos, calabouços festivos de namoros e romances eternos.  Alguns ainda guardam as lembranças de um tempo recente, de brilho, de alegria. Hoje, mantêm apenas as sedes de quadrilhas que atualmente só são produzidas por disputa, concursos. Muitas delas se parecem mais com alegorias de qualquer escola de samba, e não me admiro que mais tarde tenham suas alas e carros característicos. E observem que sou um folião de carnaval, mas não gostaria de ver os ciclos se misturarem, com uma intenção de transformar as tradições em pretexto de lucros e de fazer números de participação popular para levantamentos políticos.

Podem até me chamar de conservador e ultrapassado, apesar de manter ainda na mente as lembranças de um São João de menino, vivo entre meus pensamentos, e que afirmo ser contemporâneo e atual. Quem pode dizer que o amor é ultrapassado? Ele é tão antigo quanto os festejos da humanidade e não cai de moda mesmo com os progressos do homem.

Já se pode ouvir falar atualmente na organização de diversas reuniões de amigos em ruas, garagens ou em quintais para formar seus grupos matutos e arrasta-pés descontraídos. Será que todos estes são saudosistas? Ou só querem novamente fazer voltar e sentir uma festa realmente de participação popular e autêntica? Talvez seja uma resposta as excrescentes modificações que foram impostas à cultura da região.

Sou simpatizante do período junino nos moldes que aprendi ser legítimo, e creio que não seja apenas meu, mas seu, de Pernambuco, do Brasil. Viva o mês de junho, viva São João e São Pedro, nem que seja simplesmente na mente.

Eduardo Araújo

0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário