News - Diretoria do grupo cancela o reinício das aulas no restante do primeiro semestre de 2017. / Camisas com a marca do grupo estão sendo vendidas pelo valor de R$30 reais. / Site dos Guerreiros ultrapassa 270 mil visitas. / Para acompanhar o grupo nas redes sociais clique nos botões disponíveis nesta página. / VOCÊ GOSTOU DO SITE? JÁ PARTICIPOU DE ALGUMA ATIVIDADE NOSSA? TEM ALGUMA SUGESTÃO? COMENTE, MANDE UMA MENSAGEM POR E-MAIL OU PELAS REDES SOCIAIS. DÊ SUA OPINIÃO E NOS CONTE SOBRE A SUA EXPERIÊNCIA COM A DANÇA PERNAMBUCANA. CERTAMENTE ISSO NOS AJUDARÁ BASTANTE A ENRIQUECER TODO O TRABALHO. OBRIGADO!

Ações do Laboratório do Passo integraram dois finais de semana de atividades no bairro do Hipódromo

Nos sábados 22 e 29, e nos domingos 23 e 30 de novembro o Laboratório do Passo aconteceu com ações no bairro do Hipódromo.
Os Guerreiros do Passo apresentam o resultado de mais uma etapa de suas pesquisas realizadas com o Laboratório do Passo, projeto incentivado pelo Governo do Estado através do FUNCULTURA, que acontece mensalmente no bairro do Hipódromo, Recife. Dois finais de semana com atividades de pesquisas e capacitação em conserto e montagem de sombrinhas de frevo. Disponibilizamos a partir de agora, o relatório final dos trabalhos dessa fase do projeto que culminou no passo do Cortando Jaca. 
Sobre o movimento do Cortando Jaca ou Corta-Jaca, os estudos conseguiram uma verdadeira preciosidade em termos de dança do frevo. Inteiramente desconhecido pelos dançarinos na atualidade, o passo significou um achado histórico. Intrigante o fato de que mesmo existindo algumas referências bibliográficas, não foi possível identificar os motivos pelos quais o movimento tornou-se completamente desconhecido pelos foliões de hoje. Além das citações encontradas em livros e na internet, os Guerreiros se valeram também das imagens de um filme produzido na década de 1952, que dentre suas cenas, exibe num trecho, personagens dançarinos desenvolvendo o ritmo do frevo, onde podemos identificar o aludido movimento. O filme deu a possibilidade de arrematar os estudos com relação ao movimento em questão, fechando um quebra-cabeça delicado que apresentou uma jóia em formato de passo, integrado agora ao vasto repertório coreográfico do frevo. Em muitas referências observamos que o termo Corta-Jaca é análogo a outros movimentos e passos existentes em ritmos brasileiros, como o samba e o maxixe, por exemplo. Ora ele é apresentado como uma dança, ora como um movimento específico e isolado existente dentro de uma dança.

De acordo com o Dicionário da MPB, em link disponibilizado na internet, o passo denominado Corta-Jaca ou Cortando Jaca é uma,
Dança brasileira para se dançar só, que tem como característica os movimentos dos pés sempre muito juntos e a não flexão dos joelhos. Os movimentos de pés dão a impressão de uma faca cortando uma jaca. Apesar de parecer estar deslizando, pode-se perceber o sapateado, que costuma marcar a melodia juntamente com o ponteio das violas. Exige destreza do dançarino por ser de andamento rápido. Os braços do dançarino não têm uma função específica no corta-jaca, ajudando apenas a manter o equilíbrio de quem está dançando. É dança toda baseada no movimento dos pés.

O livro Cantata para o Brasil e Psicologia do Brasileiro de Jacob Pinheiro e Ricardo Paes Barreto, define o passo como “uma dança ginástica, sapateada, individual como os frevos do Recife”, corroborando com a ideia de que o passo é realizado de forma energética e rápida. Segundo o Dicionário do Frevo, “o passista pula, abrindo e fechando as pernas, enquanto acompanha o ritmo da música executada pela fanfarra”, essa referência leva a entender que o movimento sai do chão, porém, não encontramos nos registros visuais algo semelhante, podendo-se configurar ou como uma variante do passo, ou mesmo a interpretação dada pelo autor que o descreveu. Porém, foi na descrição do Dicionário das Manifestações Folclóricas de Pernambuco, de Yaracylda Farias Coimet, que começamos a nos aproximar da execução do movimento. Nesta obra, a autora menciona que o Cortando Jaca, assemelha-se a um movimento da dança clássica. Segundo ela, o Cortando Jaca é um “Passo do frevo que parece com o da dança clássica, “chassé”, o que sugere o vai-e-vem do cortar jaca (o fruto) com os pés”.

Na Dança Clássica a definição do “chassé”, diz que “é um passo no qual um pé lateralmente caça o outro para fora da sua posição”. Em outra definição, o chassé é descrito como “um passo deslizado. A perna desliza para fora; colocando o peso na perna de trabalho e tirando a outra perna para andar junto a ele. Um pé literalmente persegue o outro em um gracioso lateralmente galope como passo”. Nas pesquisas em vídeo na internet, conseguimos as pistas para montar o Cortando Jaca. Descobrimos que o chassé é o deslocamento de uma posição para a outra na dança clássica, e que o movimento é remetido ao “vai-e-vem do cortar a jaca com os pés”, fazia menção a um movimento parecido com a 3ª posição do balé.

Mas foi a partir do filme O Canto do Mar, direção de Alberto Cavalcanti, produção de 1952, com duração de 01h23m58s, é que chegamos mais próximo de identificar o movimento. O filme exibe a partir dos 17m30s, o trecho alusivo ao passo em questão. Com a devida atenção, observa-se no final da cena, ao lado direito da tela, um personagem executando o Cortando Jaca. Este filme está disponível na internet, no site do Youtube.

A partir de então, diante das descrições acima e em consenso com a equipe de trabalho da pesquisa, assim como nos exercícios de experimentação e análises realizados com os dados encontrados, concluímos que o Cortando Jaca ou Corta-Jaca, é um movimento onde o passista utiliza os dois pés em paralelo no chão e, se apoiando no metatarso, põe os pés virados para fora, um na frente do outro, o calcanhar do pé da frente fica na metade do pé de trás, chegando bem próximo ao que seria a 3ª posição do balé, depois é só ir alternando ora o direito, ora o esquerdo à frente. Os braços são colocados à frente em paralelo ao chão e utilizados como ajuda para a suspensão do corpo e os ombros cumprem a função de auxiliar com a cadência do passo. Esse é o desenho do movimento, onde o seu grau de dificuldade está mais na coordenação motora do passista, do que na força ou explosão corporais.
Identificamos também que o Cortando Jaca ou Corta-Jaca é um movimento acelerado, lembrando a cadência do passo Patinando no Gelo, Pisando em Brasa ou ferrolho-ferrolhando, por exemplo, cabendo ao passista incorporá-lo nos andamentos mais céleres da música, podendo também compassá-lo um pouco mais, aí fica a critério do passista no seu diálogo com o frevo.

Percebemos ainda que alguns princípios do passo Cortando Jaca ou Corta-Jaca se assemelham a alguns movimentos do Cavalo-Marinho, principalmente a um dos passos da figura da “Velha” ou do “Capitão”, justamente pelas relações entre o deslizar dos pés em diálogo com joelhos e as sucessivas trocas e cruzamentos. Vamos encontrar igualmente danças urbanas modernas com movimentos bastante análogos ao passo em questão, mas sem nenhuma identificação de hibridismo consciente dos seus autores. 

Em outra sequência da pesquisa, o movimento foi trabalhado tendo em vista as possíveis aproximações com outros movimentos do frevo, ou seja, sua família. Dessa forma, identificamos o mesmo dentro da Família dos Cruzados, e estudamos os passos que pedem, possibilitam ou estimulam sua execução.

Dado o grau de complexidade e possibilidades que o Cortando Jaca exige, o passo, assim como os outros pesquisados pela equipe de professores do grupo, serão constantemente objeto de estudo e execução nos Laboratórios posteriores e nas aulas do Projeto Frevo na Praça. Finalizamos mais uma fase do projeto, e neste etapa agradecemos a professora Lucélia Albuquerque que foi fundamental nos estudos de corpo, concedendo seu talento para a realização do Cortando Jaca, e também, ao pesquisador e compositor Samuel Valente, que nos auxiliou na pesquisa disponibilizando um livro do seu acervo.
Encerrando as atividades deste mês, registramos igualmente as Oficinas de Conserto de Sombrinhas de Frevo, realizada na sede do grupo, na Rua Francisco Berenguer, 60, no mesmo bairro do Hipódromo. Professores e participantes da Praça fizeram a manutenção do material de aula do grupo, se capacitaram no oficio e ainda ajudaram a preservar a natureza, evitando que objetos plásticos e metais pudessem ser jogados no meio ambiente.


0 COMENTÁRIOS:

Postar um comentário